Potencial Energético da Biomassa Cresce no Brasil

A potência instalada do país nas usinas de biomassa de cana atingiu 10 GW, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Isso representa cerca de 7% da capacidade total instalada no país sul-americano. A biomassa tornou-se a terceira maior fonte de energia do Brasil, atrás de energia hidrelétrica (62%) e gás natural (9%).

Zilmar de Souza, gerente do Sindicato da Cana-de-Açúcar (UNICA), empresa que engloba a indústria canavieira brasileira, disse que a biomassa dobrou duas vezes e meia a capacidade instalada média de térmicas a base de óleo combustível e diesel, e é cerca de três vezes a do carvão.

A capacidade instalada é de 12.500 MW, se outras fontes de biomassa, como a geração baseada em madeira, outras indústrias agrícolas e resíduos sólidos urbanos e animais, forem levadas em conta, de acordo com o comunicado da empresa.De acordo com a UNICA, em 2013, 57% da produção de usinas de biomassa foram usadas para consumo por unidades industriais, enquanto os 43% restantes foram para a rede nacional.Separadamente, a Companhia Energética de São Paulo (Cesp) anunciou que pretende firmar um compromisso com a biomassa. A Cesp poderia fazer parcerias com outras empresas para gerar eletricidade a partir da queima do bagaço de cana. Os incentivos fiscais do governo do estado de São Paulo se aplicam ao cultivo de cana-de-açúcar e outros materiais adequados à geração de bioenergia, como o sorgo e o milho.O Brasil tem 388 plantas e cana-de-açúcar a partir de biomassa, mais de 500 se você adicionar as de todos os tipos. No entanto, a instalação de novas usinas deverá diminuir.O representante da UNICA estima que este ano 633 MW serão instalados no total. Mas o futuro é menos otimista para os próximos anos. Segundo Souza, entre 2016 e 2018, “a situação é mais cautelosa” porque o aumento médio anual da capacidade de bioeletricidade será de “apenas 256 MW”.O responsável alertou que não há “diretriz específica para estimular a bioeletricidade no mercado regulado” e que será difícil para o mercado ver aumentos enormes. Nesse sentido, de Souza fez um chamado para “definir o papel da bioeletricidade de longo prazo [e do etanol] na matriz energética brasileira”, que ele chamou de “pré-requisito para usar o potencial da indústria da cana-de-açúcar” e evitar um declínio na taxa anual de energia de biomassa instalada na rede.Mas, apesar das dificuldades que o Brasil pode enfrentar no futuro, a biomassa tem um grande potencial e já é evidente em vários países da América Latina. A combustão de resíduos florestais e outros materiais, como o bagaço de cana-de-açúcar, pode ser um meio eficaz de gerar eletricidade, e cada vez mais países dependem dessa fonte.A empresa chinesa Power Runh vai investir cerca de US $ 50 milhões para construir uma usina de biomassa, cujo trabalho começará neste ano, de acordo com as previsões das autoridades argentinas. A usina operará com a queima de resíduos biodegradáveis ​​da vegetação em áreas arborizadas.Fonte: https://clickpetroleo.com.br/biomassa-esta-crescendo-no-brasil/